sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Como amamentar exclusivo o bebê até os 6 meses?

Gostaria de compartilhar com vocês um pouco da minha experiência com amamentação. Acho que quando a gente tem um pouco mais de informação sobre um assunto, tudo acontece de forma mais tranquila. Muitas vezes parece tão fácil e comum, pois todo mundo passa por isso, mas nem sempre funciona da mesma forma para cada pessoa.

Já tive o prazer de amamentar dois bebês e tive opiniões e atitudes distintas em cada uma das amamentações. No primeiro filho, tudo era novo, fiz um curso de amamentação na Academia da Gestante (em João Pessoa/PB), que me orientou sobre tudo o que iria acontecer nos primeiros dias da amamentação. Este curso trouxe para mim informações que nem imaginava que teria.

Uma das informações mais importantes que adquiri com o curso, foi saber que o peito iria empedrar, caso passasse muitas horas sem amamentar, e poderia ter até febre se não tratasse. Lá me ensinou uma técnica para desempedrar, que é basicamente usar a palmar da mão para fazer massagens apertando com força onde estiver duro.

Outra informação muito relevante foi sobre os ferimentos nos mamilos. Descobri que havia pomadas para tratar as rachaduras. Além disso, descobri o poder cicatrizante do banho de sol nos mamilos. Para as pomadas, existe aquelas que é necessário limpar a cada mama e tem outras que não é necessário. Uma que usei e recomendo é a pomada Lansinoh, com ela não o bebê podia mamar tranquilamente.
Pomada Lansinoh para Amamentação
Os meus ferimentos no mamilo demoraram aproximadamente 1 mês, depois deste período, ficou tudo bem, mas continuei usando a pomada.

O que percebi, quando amamentava, era que quanto mais eu dava de mamar, mais leite eu produzia. Outra coisa que fazia diferença era a ordem dos seios na amamentação. Pois, fazia diferença tanto na produção do leite quanto no ganho do peso do bebê. O que precisa entender é que o leite materno possui algumas fases:
  1. Colostro: é a primeira substância produzida quando o bebê nasce, ele tem uma cor amarelada e é importantíssimo para o bebê, pois é rico em anticorpos, o que protege o bebê das primeiras infecções que podem surgir. Ele possui mais proteína e menos gordura.
  2. Leite de transição: por volta de 4-5 dias após o nascimento, o peito fica bem cheio e duro, é importantíssimo fazer as massagens, pois empedra com facilidade. O leite é mais aguado e dá a impressão para as mães que não é suficiente para alimentar o bebê, mas não é verdade.
  3. Leite maduro: cerca de 15 dias após o parto, rico em mais gordura do que proteína e possui todos os nutrientes necessários ao crescimento do bebê.
A tabela abaixo apresenta a diferença da composição de leite materno no colostro e no leite maduro, sendo diferente quando é produzido por mães de pré-maturos (pré-termo).
Tabela da composição do leite materno. Fonte: Ministério da Saúde pág.20
Durante amamentação exclusiva até os 6 meses, não é necessário dar água nem sucos para o bebê. Pois, a primeira parte do "leite materno maduro", que sai do seio tem bastante água. Já o leite do finalzinho da mamada é mais denso e com mais gordura.
"O mais importante é que a mãe dê tempo suficiente à criança para ela esvaziar adequadamente a mama. Dessa maneira, a criança recebe o leite do final da mamada, que é mais calórico, promovendo a sua saciedade e, consequentemente, maior espaçamento entre as mamadas. O esvaziamento das mamas é importante também para o ganho adequado de peso do bebê e para a manutenção da produção de leite suficiente para atender às demandas do bebê." Fonte: Ministério da Saúde pág. 31
Uma dica importante, para conseguir que o bebê consiga mamar o leite com mais gordura, e assim ganhe mais peso:
  • Mamada 1: dar de mamar no seio direito (por exemplo).
  • Mamada 2: iniciar a mamada no mesmo seio direito, para garantir que esvaziou. Trocar o bebê para o seio esquerdo, para que ele se sacie e também para não empedrar o seio esquerdo.
  • Mamada 3: iniciar com o seio esquerdo, para esvaziar e depois finalizar a mamada no seio direito até ele se satisfazer.
  • Mamada 4: continuar amamentando como na Mamada 1.
Importante: cuidado ao tirar o bebê do seio durante a troca, para não rachar seu bico. Com o dedo mindinho (bem higienizado) colocar levemente no cantinho da boca do bebê e ele soltará facilmente. 

Algumas vezes, a falta de informação pode fazer com que as mães desistam de amamentar exclusivamente até os 6 meses, pois é muita novidade nos primeiros meses com o bebê. Um momento bem cansativo, principalmente por ter que acordar várias vezes de madrugada. A mãe fica exclusiva para o bebê, pois só ela tem o leite materno. O estresse por conta do cansaço, pode afetar na produção do leite.

Em casos de necessidade, quando a mãe precisa se ausentar ou quando começar a trabalhar antes dos 6 meses do bebê. É possível manter a amamentação, retirando o leite através de uma bomba de tirar leite. Existe modelos manuais e automáticos. Sendo que os automáticos são bem mais caros. Eu usei o modelo manual da MAMm (figura abaixo), que foi bem eficiente e não doía o mamilo durante a retirada. Ele já vem com o bico da mamadeira e é possível acoplar potes na parte de baixo, que vão direto para geladeira/freezer, sem precisar de muito contato.

Bomba tira-leite manual da MAM.


"Após retirar o leite materno, ele pode ser conservado em geladeira por 12 horas e, no freezer ou congelador, por 15 dias.
Para alimentar o bebê com leite congelado, este deve ser descongelado, de preferência dentro da geladeira. Uma vez descongelado, o leite deve ser aquecido em banho-maria fora do fogo. Antes de oferecê-lo à criança, ele deve ser agitado suavemente para homogeneizar a gordura" Fonte: Ministério da Saúde, pág. 35.
Vale ressaltar, que há casos realmente que a mãe não consegue produzir muito leite, o suficiente para o desenvolvimento do bebê, então a pediatra irá recomendar o leite complementar para que o bebê se desenvolva adequadamente.


segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Decoração de Festa Infantil Feita à Mão


O tema da festa de meu filho foi BoxTrolls, ele assistiu várias vezes o filme e a gente também gostou bastante. Realizando o desejo dele, fizemos juntos todos os detalhes da decoração. A ideia dele foi reciclar o que pudesse para construir os adornos baseados no filme. Fica a dica para vocês mamães de plantão, que não querem gastar muito e vão conseguir fazer uma festa muito legal!


Fazendo o túnel do Boxtrolls
Decoração com caixas de papelão


Bolo "fake" feito com Pasta Americana e papelão do personagem "Fish"

Folhagem secas e garrafas de vidro para dar vida ao tema

Queijo do Tema do Filme representado no Docinho de Leite em Pó

Cupcakes decorados com o rosto dos Boxtrolls feitos com Doce de Leite em pó

Caixa de Papelão com Adesivo em Papel Fotográfico para suporte dos Personalizados

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Será que os filhos serão parecidos?

Dois filhos, duas crianças completamente diferentes. Na aparência se parecem demais, mas na personalidade, são bem diferentes.

Primeiramente, o filho mais novo agora tem a influência completa do irmão mais velho, com isso, ganha rapidamente habilidades que o mais velho demorou muito para fazer. Por exemplo, pular! Com 1,5 anos, meu filho mais novo já consegue dar seus pulinhos, meu outro filho só conseguiu com 2 anos.

Quando estava grávida do segundo, me perguntava se iria ter os mesmo trabalhos novamente, se o bebê seria tão calmo quanto o irmão. Todas estas respostas estão aparecendo dia após dia. Já estou vendo que são crianças bem diferentes e que estão reagindo bem diferente.

As principais diferenças são na alimentação, no que gostam de comer. O carisma é diferente, a coragem de realizar alguma tarefa, as habilidades motoras, a personalidade, a aceitação do "não", a curiosidade. Tudo isto dá para perceber claramente as diferenças entre as crianças. Estou adorando tudo isso, pois temos novidade o tempo todo e é maravilhoso poder viver novamente a vida de outra criança e vê-la crescer.

A rotina independente

Sempre que estamos com problemas com nossos filhos, quando não conseguimos colocar eles para dormir na hora adequada, quando não querem comer, quando não querem fazer a atividade de casa, todos dizem que falta rotina. Sendo que a definição de rotina que me passaram é manter os horários das coisas e fazer tudo igual, todos os dias, para a criança se acostumar.

Comigo isso não funcionou, não conseguia ter uma rotina tão fiel, sempre os mesmo horários. Era muito complicado, pois para nossa família, todos os dias e noites eram diferentes. Tinha dias que recebíamos amigos na nossa casa, outro dia íamos para casa dos avós, outro dia ficávamos em casa, outro dia assistíamos um filme. Com isso, não existia um horário fixo para as coisas acontecerem. Não entendia como as outras mães conseguiam manter a mesma rotina todos os dias.

Além disso, eu estava muito feliz em não ter aquela rotina pré-determinada, a gente estava livre para fazer o que tinha vontade, no momento que acontecia. Mas, claro, tínhamos problemas quando precisávamos colocar nosso filho para dormir, para comer, etc.

Foi então, que pensei, se o horário para nossa família não é fixo, o que poderíamos manter fixo, para criarmos uma rotina? A resposta foi, a rotina. Desta forma, fizemos rotinas pré-definidas para cada cenário que precisávamos realizar (comer, dormir, tomar banho, atividade, etc)

Assim, independente do horário e do local que estávamos, nós fazíamos o mesmo procedimento para realizar cada tarefa. Sempre começava de um jeito, que era o Ativador da rotina e terminava do mesmo jeito, que era o Finalizador da rotina.

Para ficar mais claro, montamos 7 passos para a rotina de dormir:
  1. Escovar os dentes (Ativador)
  2. Tomar banho
  3. Vestir o pijama
  4. Rezar
  5. Dar boa  noite
  6. Contar histótia
  7. Dormir (Finalizador)
Então, mesmo que a gente estivesse na casa de algum parente, quando meu filho escovava os dentes, o próximo passo ele já sabia, até que no final dormia.

Nossa rotina de dormir começou bem extensa, tinha uns 11 passos, depois fomos diminuindo.

Influências e tendências na nossa criação

Por que a gente reage tão rápido a um determinado acontecimento? Por exemplo, se alguém chega para você e diz que seu filho foi mordido por outra criança. Rapidamente vem um pensamento de raiva e indignação sobre aquele acontecimento, várias frases prontas vem à mente.

E se no momento seguinte a frase é invertida, a pessoa se confundiu, e na verdade seu filho mordeu outra criança. Neste exato momento, nossa mente tenta proteger nosso filho, fica sem acreditar e vai procurar o filho para saber porque ele fez isso. Queremos acreditar que nosso filho é inocente e que teve um motivo real para ter feito aquele ato.

Se pensarmos bem, nós temos reações prontas para vários cenários em nossas vidas. Estes cenários são construídos a partir de tudo que vivemos. Até mesmo coisas que presenciamos, assistimos em desenhos, filmes, novelas ou noticiários. Quando algo vier automaticamente em sua mente, tenta respirar, pensar melhor e analisar a situação, para ver se merece aquela reação automática.

Deste modo, podemos ficar mais atentos ao que nossos filhos são expostos, aos costumes que eles estão adquirindo na escola, nos desenhos, nos amigos. Claro que não podemos controlar tudo, até porque isto faz parte da vida deles. Mas, podemos sim ficar atentos e orientar melhor nossos filhos, para que eles consigam agir adequadamente nos diferentes cenários.

Será que é possível ter autoridade com amor?

A resposta está sendo Sim! No momento meu filho mais velho tem 6 anos e até agora não precisamos bater nele (e não pretendo). Alguns dizem que meu filho é comportado, que temos sorte, por isso não dá para tê-lo como referência.

Nossa estratégia é conversar sempre, explicar o que é bom e o que é ruim. Algumas explicações são mais curtas e outras mais completas. Claro que tem momentos que ficamos nervosos e aumentamos a voz, afinal, somos normais, então ele percebe que não fez coisa boa e tenta refletir sobre seus atos.

O ensinamento mais importante que considero é o respeito. Respeitar a si próprio, para conseguir respeitar o próximo. Não deixar que a violência seja pretexto para consertar algo ruim.

Já ouvi dois depoimentos de mães, cujos filhos interagem de forma diferente quando estão com meu filho e quando eles estão com outras crianças. Em ambos depoimentos, elas disseram: "Com as outras crianças meu filho é agitado, briga, grita o tempo todo, mas com o seu é diferente, ele consegue brincar sem brigar.".

Que exemplo podemos dar para nossos filhos? É esta a base para ele, imitam tudo que veem. Então, como posso exigir que ele não bata no irmão, no primo ou no amigo, se eu mesma já tivesse batido nele? Que lógica é essa? Só porque hoje sou um ser humano que nasceu 30 anos antes dele, posso bater nele? Para mim não faz sentido, daqui a 20 anos, seremos dois adultos olhando olho no olho e nos questionaremos o que fizemos no passado. No meu passado não quero este arrependimento.

O que é o tempo afinal? Para mim, o tempo passa rápido em alguns aspectos e lento em outros. Consigo lembrar facilmente da minha infância, na minha casa, morando com meus pais. Naquela época parecia que aquela seria minha realidade para sempre, parecia que eu sempre iria morar com aquela família.

Hoje vivo com meu esposo e filhos. Pensando novamente que esta será uma realidade eterna. Mas, é este o nosso problema, nos acomodamos e pensamos que o tempo não passa, que as coisas não vão mudar.

Hoje sou mãe, ontem fui filha e amanhã serei avó, espero que sim! O legado de viver com Amor é o que quero deixar para meus sucessores. Se eles existirem, eles serão milhares, que povoarão este universo. Quem sabe, lá, estarei presente, neste simples gesto que faço agora. Pois, se existe algo, ele é o agora, o passado e o futuro, não sei, são só reflexos do que faço.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Como fazer uma criança se concentrar?

Primeira coisa é tirando as distrações. Geralmente, no momento das refeições, quando meu filho tinha 2 e 3 anos, ele já conseguia comer sozinho (parcialmente), nós comíamos na mesa da sala de jantar, todos juntos, conforme manda o figurino.

No entanto, a nossa mesa fica no mesmo ambiente da sala de estar com a televisão e de frente ao corredor de acesso aos quartos (onde ficam os brinquedos). Resultado, demorava uma eternidade para meu filho comer, a todo instante uma nova distração. Nós tentávamos ficar na mesa até o final da refeição dele, mesmo quando já tínhamos terminado, só para ele não pensar que podia sair da mesa. Mas, nada funcionava, sempre se distraía!

Até que um dia percebi que na casa de sua avó, onde a mesa fica na cozinha, ele se concentrava bastante e comia rapidinho junto com os primos. Resolvi fazer o teste na minha casa. A partir deste dia, as refeições da família começaram a serem feitas na mesinha da cozinha, bem apertada, mas bem funcional.

Na cozinha não havia muitos atrativos para meu filho, então agregando ao fato de ele já ter 4 anos de idade, ele já tinha mais habilidade para comer sozinho, comer na cozinha foi a solução. Atualmente, ele está com 5 anos e neste último ano tem melhorado bastante a rotina de alimentação do meu filho. Claro que de vez em quando acontece algum evento fora da cozinha que chama a atenção dele, mas  é mais difícil, com isso ele está comendo muito mais concentrado.

Tentamos aplicar a mesma ideia de concentração no momento de fazer a tarefa de casa, assim nós colocamos todos os dias, ele sempre no mesmo local para fazer as atividades. Antes a gente ficava mudando de ambiente, ele se distraía muito e demorava demais para fazer a tarefa.

Tem criança na cozinha
DICA:
Faz poucos dias, comprei um livro de culinária para ele. Vou tentar ver se ele se interessa por outros alimentos, à medida que ele for preparando. O livro se chama "Tem criança na cozinha: Culinária Divertida". Geralmente a gente faz biscoitos amanteigados, bolos e cuscuz juntos e ele gosta bastante.

Sobre o Livro (17/04/2017):
Faz quase 1 mês que comprei este livro, fiz 4 receitas com meu filho, o que percebi que as receitas são fáceis de fazer, no entanto, há alguns erros no modo de preparar e está faltando alguns ingredientes de algumas receitas, então é bom ficar atento. No mais, as receitas são realmente gostosas e meu filho está bem mais interessado nos alimentos que come, gostei bastante!

Vejam o resultado de algumas receitas que preparamos:
Receita de Batata Rosti
Receita de Charutos de Alface