sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Como amamentar exclusivo o bebê até os 6 meses?

Gostaria de compartilhar com vocês um pouco da minha experiência com amamentação. Acho que quando a gente tem um pouco mais de informação sobre um assunto, tudo acontece de forma mais tranquila. Muitas vezes parece tão fácil e comum, pois todo mundo passa por isso, mas nem sempre funciona da mesma forma para cada pessoa.

Já tive o prazer de amamentar dois bebês e tive opiniões e atitudes distintas em cada uma das amamentações. No primeiro filho, tudo era novo, fiz um curso de amamentação na Academia da Gestante (em João Pessoa/PB), que me orientou sobre tudo o que iria acontecer nos primeiros dias da amamentação. Este curso trouxe para mim informações que nem imaginava que teria.

Uma das informações mais importantes que adquiri com o curso, foi saber que o peito iria empedrar, caso passasse muitas horas sem amamentar, e poderia ter até febre se não tratasse. Lá me ensinou uma técnica para desempedrar, que é basicamente usar a palmar da mão para fazer massagens apertando com força onde estiver duro.

Outra informação muito relevante foi sobre os ferimentos nos mamilos. Descobri que havia pomadas para tratar as rachaduras. Além disso, descobri o poder cicatrizante do banho de sol nos mamilos. Para as pomadas, existe aquelas que é necessário limpar a cada mama e tem outras que não é necessário. Uma que usei e recomendo é a pomada Lansinoh, com ela não o bebê podia mamar tranquilamente.
Pomada Lansinoh para Amamentação
Os meus ferimentos no mamilo demoraram aproximadamente 1 mês, depois deste período, ficou tudo bem, mas continuei usando a pomada.

O que percebi, quando amamentava, era que quanto mais eu dava de mamar, mais leite eu produzia. Outra coisa que fazia diferença era a ordem dos seios na amamentação. Pois, fazia diferença tanto na produção do leite quanto no ganho do peso do bebê. O que precisa entender é que o leite materno possui algumas fases:
  1. Colostro: é a primeira substância produzida quando o bebê nasce, ele tem uma cor amarelada e é importantíssimo para o bebê, pois é rico em anticorpos, o que protege o bebê das primeiras infecções que podem surgir. Ele possui mais proteína e menos gordura.
  2. Leite de transição: por volta de 4-5 dias após o nascimento, o peito fica bem cheio e duro, é importantíssimo fazer as massagens, pois empedra com facilidade. O leite é mais aguado e dá a impressão para as mães que não é suficiente para alimentar o bebê, mas não é verdade.
  3. Leite maduro: cerca de 15 dias após o parto, rico em mais gordura do que proteína e possui todos os nutrientes necessários ao crescimento do bebê.
A tabela abaixo apresenta a diferença da composição de leite materno no colostro e no leite maduro, sendo diferente quando é produzido por mães de pré-maturos (pré-termo).
Tabela da composição do leite materno. Fonte: Ministério da Saúde pág.20
Durante amamentação exclusiva até os 6 meses, não é necessário dar água nem sucos para o bebê. Pois, a primeira parte do "leite materno maduro", que sai do seio tem bastante água. Já o leite do finalzinho da mamada é mais denso e com mais gordura.
"O mais importante é que a mãe dê tempo suficiente à criança para ela esvaziar adequadamente a mama. Dessa maneira, a criança recebe o leite do final da mamada, que é mais calórico, promovendo a sua saciedade e, consequentemente, maior espaçamento entre as mamadas. O esvaziamento das mamas é importante também para o ganho adequado de peso do bebê e para a manutenção da produção de leite suficiente para atender às demandas do bebê." Fonte: Ministério da Saúde pág. 31
Uma dica importante, para conseguir que o bebê consiga mamar o leite com mais gordura, e assim ganhe mais peso:
  • Mamada 1: dar de mamar no seio direito (por exemplo).
  • Mamada 2: iniciar a mamada no mesmo seio direito, para garantir que esvaziou. Trocar o bebê para o seio esquerdo, para que ele se sacie e também para não empedrar o seio esquerdo.
  • Mamada 3: iniciar com o seio esquerdo, para esvaziar e depois finalizar a mamada no seio direito até ele se satisfazer.
  • Mamada 4: continuar amamentando como na Mamada 1.
Importante: cuidado ao tirar o bebê do seio durante a troca, para não rachar seu bico. Com o dedo mindinho (bem higienizado) colocar levemente no cantinho da boca do bebê e ele soltará facilmente. 

Algumas vezes, a falta de informação pode fazer com que as mães desistam de amamentar exclusivamente até os 6 meses, pois é muita novidade nos primeiros meses com o bebê. Um momento bem cansativo, principalmente por ter que acordar várias vezes de madrugada. A mãe fica exclusiva para o bebê, pois só ela tem o leite materno. O estresse por conta do cansaço, pode afetar na produção do leite.

Em casos de necessidade, quando a mãe precisa se ausentar ou quando começar a trabalhar antes dos 6 meses do bebê. É possível manter a amamentação, retirando o leite através de uma bomba de tirar leite. Existe modelos manuais e automáticos. Sendo que os automáticos são bem mais caros. Eu usei o modelo manual da MAMm (figura abaixo), que foi bem eficiente e não doía o mamilo durante a retirada. Ele já vem com o bico da mamadeira e é possível acoplar potes na parte de baixo, que vão direto para geladeira/freezer, sem precisar de muito contato.

Bomba tira-leite manual da MAM.


"Após retirar o leite materno, ele pode ser conservado em geladeira por 12 horas e, no freezer ou congelador, por 15 dias.
Para alimentar o bebê com leite congelado, este deve ser descongelado, de preferência dentro da geladeira. Uma vez descongelado, o leite deve ser aquecido em banho-maria fora do fogo. Antes de oferecê-lo à criança, ele deve ser agitado suavemente para homogeneizar a gordura" Fonte: Ministério da Saúde, pág. 35.
Vale ressaltar, que há casos realmente que a mãe não consegue produzir muito leite, o suficiente para o desenvolvimento do bebê, então a pediatra irá recomendar o leite complementar para que o bebê se desenvolva adequadamente.


Nenhum comentário:

Postar um comentário